English|Português|Deutsch

Fresta

Fernando Pessoa

Momento 5,

Março de 1934.

FRESTA

Em meus momentos escuros
Em que em mim não há ninguem,
E tudo é nevoas e muros
Quanto a vida dá ou tem,
Se, um instante, erguendo a fronte
De onde em mim sou soterrado,
Vejo o longinquo horisonte
Cheio do sol posto ou nado,
Revivo, existo, conheço;
E, inda que seja ilusão
O exterior em que me esqueço,
Nada mais quero nem peço:
Entrego-lhe o coração.
Fresta Fernando Pessoa Edição, Transcrição Pedro Sepúlveda Transcrição Pablo Javier Pérez López Modelagem de dados, Codificação Ulrike Henny-Krahmer Codificação Sviatoslav Drach Consultoria Institut für Dokumentologie und Editorik (IDE) Universidade Nova de Lisboa, Instituto de Estudos de Literatura e Tradição (IELT) Cologne Center for eHumanities (CCeH) 2017 Pessoa_Fresta.xml Fresta Fresta Fernando Pessoa Momento Março de 1934 2.ª série 5 Poesia

FRESTA

Em meus momentos escuros
Em que em mim não há ninguem,
E tudo é nevoas e muros
Quanto a vida dá ou tem,
Se, um instante, erguendo a fronte
De onde em mim sou soterrado,
Vejo o longinquo horisonte
Cheio do sol posto ou nado,
Revivo, existo, conheço;
E, inda que seja ilusão
O exterior em que me esqueço,
Nada mais quero nem peço:
Entrego-lhe o coração.