English|Português|Deutsch

A revista “ATHENA” e o que nos afirmou Fernando Pessoa

Fernando Pessoa

Diário de Lisboa, 3 de novembro de 1924, p. 2.

A revista “Athena" e o que nos afirmou Fernando Pessôa"

Lançar uma revista de arte num meio acanhado como o nosso, onde quasi todas as tentativas literarias e artísticas falham por falta de auxilio do publico, é, já por si, digno de admiração, pelo que tem de arrojado.

Fernando Pessoa, artista original e interessante que rapidamente se distinguiu dentre a multidão de escritores da sua geração, acaba de lançar, com Ruy Vaz, outro artista de valor, uma nova revista de arte. Quizemos ouvi-lo sobre a sua interessante iniciativa:

– A que veiu a «Athena»?

– Dar ao publico português, tanto quanto possível, uma revista puramente de arte, isto é, nem de ocasião e inicio como o «Orfeu», nem quasi de pura decoração, como a admiravel «Contemporanea».

– Mas em que é que consiste uma revista «puramente de arte»?

– Ha três publicos – um que vê, outro que lê, outro que não ha. O primeiro é composto da maioria, o segundo da minoria, o terceiro de individuos. O primeiro quere ver, o segundo quere conhecer, o terceiro quere compreender. Uma revista «puramente de arte» é feita para o publico que «compreende» a arte, e, ao mesmo tempo, para que os publicos, que a não compreendem, compreendam, um que ela tem que compreender, o outro que ela póde ser compreendida, visto que ha quem a compreenda.

– E isso como se faz?

– Fazendo-se. Exclue se, primeiro, o criterio de homogeneidade (escola ou corrente); assim se acentua e se ensina que a arte é essencialmente multiforme, o que é uma das primeiras cousas que tem que aprender muita gente que já o sabe. Nas estampes da primeira «Athena» verá reproduções de obras de um classico, de um romantico, de um contemporaneo. Na parte literaria igual diversidade se busca, como se vê e verá. Depois...

– Depois?

– Exclue se o criterio de fragmentação (amostras e retalhos): não se publicam nem trechos esteticamente compreensiveis só como fragmentarios – isto é, incompreensiveis – nem poucas produções de um autor para cuja compreensão sejam precisas muitas. É em obediencia a este criterio que a primeira «Athena» insere nada menos que onze reproduções de quadros do Visconde de Menezes, e nada menos que o primeiro livro, inteiro, das «Odes», de Ricardo Reis. Por fim...

– Por fim?

– Exclue se o criterio de não dar novidade nenhuma. Em igualdade estetica, preferimos o autor desconhecido ao conhecido, o obscuro ao que sofreu publicidade, e, de autores conhecidos, os novos aos velhos, aspectos de sua obra. Tomáramos nós poder, em todos os números, aliar á novidade da obra a revelação do artista!

– A separação «tranchée», entre a parte literaria e a artistica, obedece a algum criterio especial?

– Obedece a um criterio especial, que é o geral. As revistas para se ler, ou não têm gravuras, ou só as têm que ilustrem o texto. As revistas para se ver, têm as gravuras alheias ao texto e cortando-o, porque não são para se ler. As revistas para se compreender se param rigorosamente os seus elementos, e, portanto, as estampas do texto impresso. Assim se faz na «Athena»: é que ela é uma revista para se compreender, isto é, é a revista que é, e não a revista que não é. Para compreender, dividem se os assuntos, como para vencer se divide o inimigo.

– É então uma revista com orientação?

– Mais: é uma revista com orientadores. E, se quizer isto dito de outro modo, ponhamo-lo do mesmo modo: é uma revista não só com diretores, mas tambem com direcção.

– Bem. E o que julga que será o futuro da «Athena»?

– Não fui consultado a criação do sistema do universo: não é natural que o seja para aquela pequena parte do futuro dele, que é o futuro desta revista. Ruy Vaz e eu faremos porque ela «mereça»; o resto é com Destino.

  • Nomes

    • Fernando Pessoa
    • Luís de Pereira Miranda de Menezes
    • Ricardo Reis
    • Rui Vaz

    Periódicos

    • Athena
    • Contemporânea
    • Orpheu