English|Português|Deutsch

Os preceitos práticos em geral e os de Henry Ford em particular

Fernando Pessoa

Revista de Comércio e Contabilidade 6, 25 de junho de 1926.

  • OS PRECEITOS PRÁTICOS EM GERAL E OS DE HENRY FORD EM PARTICULAR

    DEVE O LEITOR ter notado que, em várias alturas dêste volume, temos enchido os espaços entre os fins dos artigos e os das páginas com breves preceitos, máximas e considerações de diversa ordem, tendentes muitas a indicar, tanto quanto em nós coube fazê-lo, regras de vida para a realidade, distintas daquelas regras de vida que teem apenas um sentido moral ou educativo. Apreciadas favoravelmente por muitos leitores, teem levantado em outros alguns reparos, assim como os tem levantado o tom por vezes leve ou irónico com que anotámos uma ou outra materia.

    Quanto ao tom humoristico de certos trechos e preceitos, não queremos defendê-lo senão com a explicação de que mais vale expôr uma coisa com leveza do que com pedantismo. A verdade não vale menos dita com um sorriso do que dita com um ar severo, pela mesma razão que não pesa mais um argumento exposto em linguagem erudita do que um argumento exposto em linguagem simples. É tudo uma questão de modo de dizer, e mais nada.

    Mais interessante, porque mais complexo, é o problema que surge em torno da natureza, que a vários tem parecido crua e quasi cínica, de alguns preceitos que aqui receberam o relevo a concisão e do itálico. Achamos, por isso, que nos cumpre, ao fechar êste volume, dar do assunto uma breve explicação. E essa explicação servirá de motivo á apresentação de certos novos preceitos, cujo interêsse particular participará do interêsse geral que pretendemos dar a êste artigo.

    *

    O homem supõe que é um animal racional. Pode ser que o seja, e pode ser que o não seja; a psicologia scientifica contesta a importancia e a preponderancia da razão na vida individual. São, diz ela, os instintos, os habitos, os sentimentos e as emoções que verdadeiramente guiam o homem; a razão não serve senão de interpretar para a vontade êsses impulsos subracionais. Mas o facto é que a propria circunstancia de o homem se considerar um ente essencialmente racional faz com que, ainda que de um modo indirecto, a razão assuma, na vida dêle, uma importancia verdadeira. Ora um dos emprêgos abstratos da razão é o de formar preceitos, máximas, ou normas intelectuais, para a condução, geral ou particular, da vida.

    Os preceitos são de trez ordens: podemos chamar-lhes (1) preceitos morais, (2) preceitos racionais, (3) preceitos práticos. Os preceitos morais expõem o que devemos fazer para ficarmos de bem com a nossa consciencia. Os preceitos racionais expõem o que devemos fazer para ficarmos de bem com a nossa vida. Os preceitos práticos expõem o que devemos fazer para ficarmos de bem com as nossas ambições. Os primeiros são, como diz o nome que lhes demos, invariavelmente morais no que expõem. Os segundos são simplesmente o que se pode chamar sensatos. Os terceiros são muitas vezes pouco morais, e, até, pouco sensatos, por isso mesmo que a vida, na sua realidade prática, e frequentemente imoral, e não poucas vezes absurda.

    Quatro exemplos explicarão os trez casos. Exemplo de um preceito moral: Não faças aos outros o que não quizeres que êles te façam. Exemplo de um preceito racional: Conhece-te a ti mesmo. Exemplo de um preceito prático pouco moral: Se quizeres enganar alguem por intermedio de um enviado, engana primeiro êsse enviado, porque então êle mentirá com convicção. Exemplo de um preceito pouco «sensato»: Quem não deixa nada ao acaso, pouco fará mal, mas fará muito pouco. O primeiro preceito é, em uma forma ou outra, de diversos sistemas religiosos. O segundo, inscripção num templo grego, é atribuido a um sabio da Grecia que provavelmente nunca existiu. Dos dois ultimos, o primeiro é do florentino Guicciardini, e o segundo do inglez Halifax.

    Nos proprios preceitos populares, a que chamamos proverbios, encontramos estas trez ordens de máximas. Um proverbio moral: Filho és e pai serás; conforme fizeres, assim acharás. Um proverbio racional: Fia-te na Virgem e não corras, e verás o tombo que levas. Exemplo de um proverbio prático: Quem seu inimigo poupa, ás mãos lhe morre. Ninguem poderá dizer que êste ultimo proverbio, que é uma espécie de recomendação do que podemos chamar o homicidio predefensivo, tenha vantagens morais sobre o preceito de Guicciardini, acima citado. É-lhe, aliás inferior em utilidade, pois o preceito do florentino é universalmente verdadeiro, e o proverbio portuguez é-o apenas em relação a certos inimigos e a certas circunstancias.

    Estas considerações, que, assim ilustradas por exemplos, devem ser claras para todos, servir-nos-hão de base para o estudo do problema.

    *

    A sociedade é um sistema de egoismos maleaveis, de concorrencias intermitentes. Cada homem é, ao mesmo tempo, um ente individual e um ente social. Como individuo, distingue-se de todos os outros homens; e, porque se distingue, opõe-se-lhes. Como sociavel, parece-se com todos os outros homens; e, porque se parece, agrega-se-lhes. A vida social do homem divide-se, pois, em duas partes: uma parte individual, em que é concorrente dos outros, e tem que estar na defensiva e na ofensiva perante êles; e uma parte social, em que é semelhante dos outros, e tem tão-sómente que ser-lhes util e agradavel. Para estar na defensiva ou na ofensiva, tem êle que vêr claramente o que os outros realmente são e o que realmente fazem, e não o que deveriam ser ou que seria bom que fizessem. Para lhes ser util ou agradavel, tem que consultar simplesmente a sua mera natureza de homens. A exacerbação, em qualquer homem, de um ou outro dêstes elementos leva á ruina integral dêsse homem, e, portanto, á propria frustração do intuito do elemento predominante, que, como é parte do homem, cái com a queda dêle. Um individuo que conduza a sua vida em linhas de uma moral altissima e pura acabará por ser intrujado por toda a gente ― até pelos individuos que, sendo tambem morais, o são com menos altura e pureza. E o despeito, a amargura, a desilusão, que corroem a natureza moral, serão os resultados da sua experiencia. Mas tambem um individuo, que conduza a sua vida em linhas de um embuste constante, acabará, ou na cadeia, onde ha pouco que intrujar, ou por se tornar suspeito a todos e porisso já não poder intrujar ninguem.

    Ora é por causa desta dupla natureza real do homem que se engendraram preceitos de dupla natureza ― os dirigidos á formação do homem moral ou social; outros tendentes á sua educação defensiva e ofensiva. Os preceitos que chamámos racionais ocupam um lugar intermedio; não se dirigem á formação da socialidade, nem á educação do egoismo: são regras para uma vida harmónica e socegada, que se não estorva a si, nem estorva aos outros.

    O que constitui, porêm, a essencia de um preceito é que, quer se dirija especialmente á formação do homem moral ou social, quer se dirija especialmente á formação do homem individual ou egoista, o preceito conta sempre com a existencia da outra natureza do homem. Como a realidade tem dois elementos ― o moral e o prático ―, o preceito moral conta sempre com a existencia do elemento prático, e o preceito prático conta sempre com a existencia do elemento moral. O preceito moral, para ser verdadeiramente preceito, nunca esquece um certo limite. O preceito prático, para ser verdadeiramente preceito, nunca esquece uma certa regra. Nisto se distinguem os preceitos, propriamente ditos, das regras misticamente religiosas, por um lado, e das indicações cinicamente absurdas, por outro. O preceito, moral ou prático, está num ponto intermedio entre o Sermão da Montanha e o Manual do Perfeito Escroc. Do preceito, a que chamámos racional, não é preciso acentuar êste caracter médio, porque a propria definição, que dêle demos, por si mesma o acentúa.

    *

    Propuzemo-nos estudar e explicar o preceito, a que chamámos prático ― aquêle que frequentemente parece imoral ou insensato. Estamos já, depois do breve estudo que fizemos, em estado de o definir.

    Um preceito prático é uma regra do procedimento egoista que não esquece a dupla natureza do homem nem o equilibrio entre os seus dois elementos. Ha assuntos ou circunstancias em que, pela sua propria natureza, o elemento moral não figura; o preceito que se estabelece para êsses será necessariamente imoral. Ha assuntos ou circunstancias em que, pela sua propria natureza, o elemento prático mal figura; o preceito que se estabeleça para êsses será necessariamente moral. Ha assuntos ou circunstancias, quasi sempre anormais, em que, pela sua propria natureza, se deu uma ruptura do equilibrio usual das coisas; o preceito, que se estabeleça para êsses, tem que recomendar que se faça, para equilibrar as coisas, uma ruptura de equilibrio em sentido contrário, resultando pois um preceito que parecerá insensato.

    Estas explicações, que, embora lucidas, são abstratas, concretizar-se-hão para o leitor nos novos exemplos, que vamos dar, de cada espécie de preceito prático que mencionámos.

    Exemplos do preceito prático simples: Todos vêem o que pareces; poucos sabem o que és (Macchiavelli). Nunca faças a alguem um favôr á custa de outro; pois o primeiro provavelmente esquecerá o favor, mas o segundo com certeza não esquecerá a injuria (Guicciardini). A dissimulação é como a maioria das outras qualidades; é necessaria, e é, ao mesmo tempo, perigosa. Não a ter torna-nos despreziveis; tel-a em excesso torna-nos suspeitos. Nada há, porêm, de grande nesta qualidade, pois uma criada de quarto a possue ordinariamente em maior grau que qualquer principe (Halifax).

    Exemplos do preceito prático necessariamente imoral: Ou evita fazer mal a alguem; ou, se decides fazer-lhe mal, faze-lhe então todo o mal que puderes. ― É melhor matar um homem do que ameaçal-o de morte, porque os mortos já não pensam em vingar-se. ― Os homens são sempre mais prontos em retribuir injurias do que favores, porque retribuir um favor é uma obrigação, e retribuir uma injuria é um prazer. Todos estes primores de moral são de Macchiavelli, que, deve notar-se, escreveu principalmente para politicos, e numa epoca de politica subtil e agitada. Mas, salvo em circunstancias sociais onde em absoluto não tenham cabimento, estes principios são absolutamente verdadeiros.

    Exemplo do preceito prático necessariamente moral: A honestidade é a melhor tactica (Proverbio Inglez)

    Exemplos do preceito prático necessariamente «insensato»: Nas grandes dificuldades, age sempre antes de pensares (Anonimo). ― O que não tem remedio, remediado está (Proverbio Portuguez).

    Com as explicações que demos, e os exemplos que acabamos de dar, deve o leitor ter ficado sabendo o que é essencialmente um preceito prático. E com êsse conhecimento nos terá absolvido do pouco, que lhe possa ter parecido crú ou cínico, em qualquer das breves maximas que temos espalhado pelas bases das nossas paginas.

    Cumprido isto, que era uma parte do que prometeramos fazer nêste estudo, vamos cumprir a outra parte prometida. Vamos apresentar o ultimo grupo de preceitos práticos que surgiu na publicidade. É mais que recente, é recentissimo, o seu aparecimento. Devemos êsses preceitos, de intuito primordialmente industrial e portanto proprio desta Revista, ao grande fabricante americano, e milionario supremo do mundo, Henry Ford.

    *

    Os preceitos práticos mais uteis são, como é de esperar, obra, não dos homens inteligentes mais práticos, mas, o que é diferente, dos homens práticos mais inteligentes. Os grandes mestres do preceito prático fôram políticos que reflectiram sôbre a politica. Tal foi Macchiavelli, cujos preceitos iluminam principalmente o que ha de vil e de mau em todos os homens; tal foi George Saville, Marquez de Halifax, cujas máximas ilustram sobretudo o que há de francamente humano em toda a gente.

    De Henry Ford, mestre de indústria, haveria a esperar preceitos práticos que esclarecessem as condições essenciais das chefias modernas, pelo menos no campo particular da indústria e do comércio. A vida actual, porém, ou as pessoas que a vivem, tem, ao que parece, um caracter maior de hipocrisia que a Renascença italiana ou a Restauração ingleza. Os preceitos práticos de Henry Ford dão-nos o que parece ser o resultado de só aquela metade da sua experiência que lhe convém dizer-nos. Participam um pouco da atmosfera da lei sêca. São-nos servidos com água.

    Tais quais são, porém, vale a pena lê-los. No original ― que está no último dos vários livros que Henry Ford vem lançando em explicação da sua vida e rèclame dos seus carros ― estão dispersos e incoordenados. Lord Riddell deu-se ao trabalho de os coordenar e concentrar. É, pois, na redacção de Lord Riddell que vamos dar os nove mandamentos industriais do multimilionario americano.

    Ai vão:

    I. ― Busca a simplicidade. Examina tudo constantemente, para vêr se descobres como simplificá-lo e aperfeiçoá-lo. Não respeites o passado. O facto de que uma coisa se fez sempre de certa maneira não prova que não haja uma maneira melhor de a fazer.

    II. ― Não teorizes; faze experiências. O facto de as experiências passadas não terem dado resultado não quere dizer que o não darão as experiências futuras. Os peritos são escravos da tradição. É, pois, preferivel entregar a investigação de novos projectos a pessoas enérgicas de inteligência lúcida. Elas que se sirvam dos peritos.

    III. ― O trabalho e a perfeição do trabalho tomam a precedência do dinheiro e do lucro.

    IV. ― Faze o trabalho do modo mais directo sem te importares com regras e leis, nem com as divisões vulgares da disciplina.

    V. ― Instala e mantém todas as máquinas no melhor estado possivel e exige um aceio absoluto em toda a parte, para que um homem aprenda a respeitar a sua ferramenta, o seu ambiente e a sua própria pessoa.

    VI. ― Se puderes fabricar uma coisa, que tens que usar em grandes quantidades, a um preço inferior ao por que a compras, fabrica-a.

    VII. ― Sempre que fôr possivel, substitui o homem pela máquina.

    VIII. ― O negocio não pertence ao patrão ou aos empregados, mas ao público.

    IX. ― O salário justo é o salário mais alto que o patrão pode pagar regularmente.

    Estas regras ― dissemo-lo e mantemo-lo ― representam apenas metade da experiência industrial e comercial de Henry Ford. Da outra parte, que não deve ter contribuido pouco para o tornar o super-Rockfeller que é, não extrairá êle porventura nunca os mandamentos correspondentes. Contentemo-nos porém com estes, que, em sua espécie, são admiraveis. Contêem ensinamentos que a maioria dos nossos industriais poderia, sem quebra de amor-próprio, gravar na memória e na atenção.

    Não comentaremos êstes preceitos, que, aliás, não requerem comentário. Só ao último dêles ― ou, antes, a um seu derivado na política industtial recente de Ford ― nos referiremos para fecho dêste artigo.

    Henry Ford acaba de criar em suas fábricas a semana de cinco dias. E acaba de propôr á consideração do mundo, como exemplo a seguir, esta redução filantrópica do trabalho dos seus operários. Sucede, porém, que já se sabe que os fabricantes de outros carros baratos americanos estão entrando pelas vendas dos automoveis Ford; que, ao passo que durante anos Ford produzia mais de metade dos automoveis fabricados nos Estados Unidos, produz agora apenas cêrca de trinta e cinco por cento do total; que as fábricas Ford se vêem portanto confrontadas com o problema da sobreprodução, forçadas a produzir apenas sessenta e cinco por cento da sua capacidade, e obrigadas pois a trabalhar só quarenta horas por semana...

    De sorte que, ao proclamar ao mundo como novo lema económico e moral a semana de cinco dias, Henry Ford, sem ter que inventar para si um novo preceito prático, se limitou a seguir aquêle, que é admiravel, do mestre Macchiavelli: O que fazemos por necessidade, devemos fazer parecer que foi por vontade nossa que o fizemos.

  • OS PRECEITOS PRÁTICOS EM GERAL E OS DE HENRY FORD EM PARTICULAR

    DEVE O LEITOR ter notado que, em várias alturas dêste volume, temos enchido os espaços entre os fins dos artigos e os das páginas com breves preceitos, máximas e considerações de diversa ordem, tendentes muitas a indicar, tanto quanto em nós coube fazê-lo, regras de vida para a realidade, distintas daquelas regras de vida que teem apenas um sentido moral ou educativo. Apreciadas favoravelmente por muitos leitores, teem levantado em outros alguns reparos, assim como os tem levantado o tom por vezes leve ou irónico com que anotámos uma ou outra materia.

    Quanto ao tom humoristico de certos trechos e preceitos, não queremos defendê-lo senão com a explicação de que mais vale expôr uma coisa com leveza do que com pedantismo. A verdade não vale menos dita com um sorriso do que dita com um ar severo, pela mesma razão que não pesa mais um argumento exposto em linguagem erudita do que um argumento exposto em linguagem simples. É tudo uma questão de modo de dizer, e mais nada.

    Mais interessante, porque mais complexo, é o problema que surge em torno da natureza, que a vários tem parecido crua e quasi cínica, de alguns preceitos que aqui receberam o relevo a concisão e do itálico. Achamos, por isso, que nos cumpre, ao fechar êste volume, dar do assunto uma breve explicação. E essa explicação servirá de motivo á apresentação de certos novos preceitos, cujo interêsse particular participará do interêsse geral que pretendemos dar a êste artigo.

    *

    O homem supõe que é um animal racional. Pode ser que o seja, e pode ser que o não seja; a psicologia scientifica contesta a importancia e a preponderancia da razão na vida individual. São, diz ela, os instintos, os habitos, os sentimentos e as emoções que verdadeiramente guiam o homem; a razão não serve senão de interpretar para a vontade êsses impulsos subracionais. Mas o facto é que a propria circunstancia de o homem se considerar um ente essencialmente racional faz com que, ainda que de um modo indirecto, a razão assuma, na vida dêle, uma importancia verdadeira. Ora um dos emprêgos abstratos da razão é o de formar preceitos, máximas, ou normas intelectuais, para a condução, geral ou particular, da vida.

    Os preceitos são de trez ordens: podemos chamar-lhes (1) preceitos morais, (2) preceitos racionais, (3) preceitos práticos. Os preceitos morais expõem o que devemos fazer para ficarmos de bem com a nossa consciencia. Os preceitos racionais expõem o que devemos fazer para ficarmos de bem com a nossa vida. Os preceitos práticos expõem o que devemos fazer para ficarmos de bem com as nossas ambições. Os primeiros são, como diz o nome que lhes demos, invariavelmente morais no que expõem. Os segundos são simplesmente o que se pode chamar sensatos. Os terceiros são muitas vezes pouco morais, e, até, pouco sensatos, por isso mesmo que a vida, na sua realidade prática, e frequentemente imoral, e não poucas vezes absurda.

    Quatro exemplos explicarão os trez casos. Exemplo de um preceito moral: Não faças aos outros o que não quizeres que êles te façam. Exemplo de um preceito racional: Conhece-te a ti mesmo. Exemplo de um preceito prático pouco moral: Se quizeres enganar alguem por intermedio de um enviado, engana primeiro êsse enviado, porque então êle mentirá com convicção. Exemplo de um preceito pouco «sensato»: Quem não deixa nada ao acaso, pouco fará mal, mas fará muito pouco. O primeiro preceito é, em uma forma ou outra, de diversos sistemas religiosos. O segundo, inscripção num templo grego, é atribuido a um sabio da Grecia que provavelmente nunca existiu. Dos dois ultimos, o primeiro é do florentino Guicciardini, e o segundo do inglez Halifax.

    Nos proprios preceitos populares, a que chamamos proverbios, encontramos estas trez ordens de máximas. Um proverbio moral: Filho és e pai serás; conforme fizeres, assim acharás. Um proverbio racional: Fia-te na Virgem e não corras, e verás o tombo que levas. Exemplo de um proverbio prático: Quem seu inimigo poupa, ás mãos lhe morre. Ninguem poderá dizer que êste ultimo proverbio, que é uma espécie de recomendação do que podemos chamar o homicidio predefensivo, tenha vantagens morais sobre o preceito de Guicciardini, acima citado. É-lhe, aliás inferior em utilidade, pois o preceito do florentino é universalmente verdadeiro, e o proverbio portuguez é-o apenas em relação a certos inimigos e a certas circunstancias.

    Estas considerações, que, assim ilustradas por exemplos, devem ser claras para todos, servir-nos-hão de base para o estudo do problema.

    *

    A sociedade é um sistema de egoismos maleaveis, de concorrencias intermitentes. Cada homem é, ao mesmo tempo, um ente individual e um ente social. Como individuo, distingue-se de todos os outros homens; e, porque se distingue, opõe-se-lhes. Como sociavel, parece-se com todos os outros homens; e, porque se parece, agrega-se-lhes. A vida social do homem divide-se, pois, em duas partes: uma parte individual, em que é concorrente dos outros, e tem que estar na defensiva e na ofensiva perante êles; e uma parte social, em que é semelhante dos outros, e tem tão-sómente que ser-lhes util e agradavel. Para estar na defensiva ou na ofensiva, tem êle que vêr claramente o que os outros realmente são e o que realmente fazem, e não o que deveriam ser ou que seria bom que fizessem. Para lhes ser util ou agradavel, tem que consultar simplesmente a sua mera natureza de homens. A exacerbação, em qualquer homem, de um ou outro dêstes elementos leva á ruina integral dêsse homem, e, portanto, á propria frustração do intuito do elemento predominante, que, como é parte do homem, cái com a queda dêle. Um individuo que conduza a sua vida em linhas de uma moral altissima e pura acabará por ser intrujado por toda a gente ― até pelos individuos que, sendo tambem morais, o são com menos altura e pureza. E o despeito, a amargura, a desilusão, que corroem a natureza moral, serão os resultados da sua experiencia. Mas tambem um individuo, que conduza a sua vida em linhas de um embuste constante, acabará, ou na cadeia, onde ha pouco que intrujar, ou por se tornar suspeito a todos e porisso já não poder intrujar ninguem.

    Ora é por causa desta dupla natureza real do homem que se engendraram preceitos de dupla natureza ― os dirigidos á formação do homem moral ou social; outros tendentes á sua educação defensiva e ofensiva. Os preceitos que chamámos racionais ocupam um lugar intermedio; não se dirigem á formação da socialidade, nem á educação do egoismo: são regras para uma vida harmónica e socegada, que se não estorva a si, nem estorva aos outros.

    O que constitui, porêm, a essencia de um preceito é que, quer se dirija especialmente á formação do homem moral ou social, quer se dirija especialmente á formação do homem individual ou egoista, o preceito conta sempre com a existencia da outra natureza do homem. Como a realidade tem dois elementos ― o moral e o prático ―, o preceito moral conta sempre com a existencia do elemento prático, e o preceito prático conta sempre com a existencia do elemento moral. O preceito moral, para ser verdadeiramente preceito, nunca esquece um certo limite. O preceito prático, para ser verdadeiramente preceito, nunca esquece uma certa regra. Nisto se distinguem os preceitos, propriamente ditos, das regras misticamente religiosas, por um lado, e das indicações cinicamente absurdas, por outro. O preceito, moral ou prático, está num ponto intermedio entre o Sermão da Montanha e o Manual do Perfeito Escroc. Do preceito, a que chamámos racional, não é preciso acentuar êste caracter médio, porque a propria definição, que dêle demos, por si mesma o acentúa.

    *

    Propuzemo-nos estudar e explicar o preceito, a que chamámos prático ― aquêle que frequentemente parece imoral ou insensato. Estamos já, depois do breve estudo que fizemos, em estado de o definir.

    Um preceito prático é uma regra do procedimento egoista que não esquece a dupla natureza do homem nem o equilibrio entre os seus dois elementos. Ha assuntos ou circunstancias em que, pela sua propria natureza, o elemento moral não figura; o preceito que se estabelece para êsses será necessariamente imoral. Ha assuntos ou circunstancias em que, pela sua propria natureza, o elemento prático mal figura; o preceito que se estabeleça para êsses será necessariamente moral. Ha assuntos ou circunstancias, quasi sempre anormais, em que, pela sua propria natureza, se deu uma ruptura do equilibrio usual das coisas; o preceito, que se estabeleça para êsses, tem que recomendar que se faça, para equilibrar as coisas, uma ruptura de equilibrio em sentido contrário, resultando pois um preceito que parecerá insensato.

    Estas explicações, que, embora lucidas, são abstratas, concretizar-se-hão para o leitor nos novos exemplos, que vamos dar, de cada espécie de preceito prático que mencionámos.

    Exemplos do preceito prático simples: Todos vêem o que pareces; poucos sabem o que és (Macchiavelli). Nunca faças a alguem um favôr á custa de outro; pois o primeiro provavelmente esquecerá o favor, mas o segundo com certeza não esquecerá a injuria (Guicciardini). A dissimulação é como a maioria das outras qualidades; é necessaria, e é, ao mesmo tempo, perigosa. Não a ter torna-nos despreziveis; tel-a em excesso torna-nos suspeitos. Nada há, porêm, de grande nesta qualidade, pois uma criada de quarto a possue ordinariamente em maior grau que qualquer principe (Halifax).

    Exemplos do preceito prático necessariamente imoral: Ou evita fazer mal a alguem; ou, se decides fazer-lhe mal, faze-lhe então todo o mal que puderes. ― É melhor matar um homem do que ameaçal-o de morte, porque os mortos já não pensam em vingar-se. ― Os homens são sempre mais prontos em retribuir injurias do que favores, porque retribuir um favor é uma obrigação, e retribuir uma injuria é um prazer. Todos estes primores de moral são de Macchiavelli, que, deve notar-se, escreveu principalmente para politicos, e numa epoca de politica subtil e agitada. Mas, salvo em circunstancias sociais onde em absoluto não tenham cabimento, estes principios são absolutamente verdadeiros.

    Exemplo do preceito prático necessariamente moral: A honestidade é a melhor tactica (Proverbio Inglez)

    Exemplos do preceito prático necessariamente «insensato»: Nas grandes dificuldades, age sempre antes de pensares (Anonimo). ― O que não tem remedio, remediado está (Proverbio Portuguez).

    Com as explicações que demos, e os exemplos que acabamos de dar, deve o leitor ter ficado sabendo o que é essencialmente um preceito prático. E com êsse conhecimento nos terá absolvido do pouco, que lhe possa ter parecido crú ou cínico, em qualquer das breves maximas que temos espalhado pelas bases das nossas paginas.

    Cumprido isto, que era uma parte do que prometeramos fazer nêste estudo, vamos cumprir a outra parte prometida. Vamos apresentar o ultimo grupo de preceitos práticos que surgiu na publicidade. É mais que recente, é recentissimo, o seu aparecimento. Devemos êsses preceitos, de intuito primordialmente industrial e portanto proprio desta Revista, ao grande fabricante americano, e milionario supremo do mundo, Henry Ford.

    *

    Os preceitos práticos mais uteis são, como é de esperar, obra, não dos homens inteligentes mais práticos, mas, o que é diferente, dos homens práticos mais inteligentes. Os grandes mestres do preceito prático fôram políticos que reflectiram sôbre a politica. Tal foi Macchiavelli, cujos preceitos iluminam principalmente o que ha de vil e de mau em todos os homens; tal foi George Saville, Marquez de Halifax, cujas máximas ilustram sobretudo o que há de francamente humano em toda a gente.

    De Henry Ford, mestre de indústria, haveria a esperar preceitos práticos que esclarecessem as condições essenciais das chefias modernas, pelo menos no campo particular da indústria e do comércio. A vida actual, porém, ou as pessoas que a vivem, tem, ao que parece, um caracter maior de hipocrisia que a Renascença italiana ou a Restauração ingleza. Os preceitos práticos de Henry Ford dão-nos o que parece ser o resultado de só aquela metade da sua experiência que lhe convém dizer-nos. Participam um pouco da atmosfera da lei sêca. São-nos servidos com água.

    Tais quais são, porém, vale a pena lê-los. No original ― que está no último dos vários livros que Henry Ford vem lançando em explicação da sua vida e rèclame dos seus carros ― estão dispersos e incoordenados. Lord Riddell deu-se ao trabalho de os coordenar e concentrar. É, pois, na redacção de Lord Riddell que vamos dar os nove mandamentos industriais do multimilionario americano.

    Ai vão:

    I. ― Busca a simplicidade. Examina tudo constantemente, para vêr se descobres como simplificá-lo e aperfeiçoá-lo. Não respeites o passado. O facto de que uma coisa se fez sempre de certa maneira não prova que não haja uma maneira melhor de a fazer.

    II. ― Não teorizes; faze experiências. O facto de as experiências passadas não terem dado resultado não quere dizer que o não darão as experiências futuras. Os peritos são escravos da tradição. É, pois, preferivel entregar a investigação de novos projectos a pessoas enérgicas de inteligência lúcida. Elas que se sirvam dos peritos.

    III. ― O trabalho e a perfeição do trabalho tomam a precedência do dinheiro e do lucro.

    IV. ― Faze o trabalho do modo mais directo sem te importares com regras e leis, nem com as divisões vulgares da disciplina.

    V. ― Instala e mantém todas as máquinas no melhor estado possivel e exige um aceio absoluto em toda a parte, para que um homem aprenda a respeitar a sua ferramenta, o seu ambiente e a sua própria pessoa.

    VI. ― Se puderes fabricar uma coisa, que tens que usar em grandes quantidades, a um preço inferior ao por que a compras, fabrica-a.

    VII. ― Sempre que fôr possivel, substitui o homem pela máquina.

    VIII. ― O negocio não pertence ao patrão ou aos empregados, mas ao público.

    IX. ― O salário justo é o salário mais alto que o patrão pode pagar regularmente.

    Estas regras ― dissemo-lo e mantemo-lo ― representam apenas metade da experiência industrial e comercial de Henry Ford. Da outra parte, que não deve ter contribuido pouco para o tornar o super-Rockfeller que é, não extrairá êle porventura nunca os mandamentos correspondentes. Contentemo-nos porém com estes, que, em sua espécie, são admiraveis. Contêem ensinamentos que a maioria dos nossos industriais poderia, sem quebra de amor-próprio, gravar na memória e na atenção.

    Não comentaremos êstes preceitos, que, aliás, não requerem comentário. Só ao último dêles ― ou, antes, a um seu derivado na política industtial recente de Ford ― nos referiremos para fecho dêste artigo.

    Henry Ford acaba de criar em suas fábricas a semana de cinco dias. E acaba de propôr á consideração do mundo, como exemplo a seguir, esta redução filantrópica do trabalho dos seus operários. Sucede, porém, que já se sabe que os fabricantes de outros carros baratos americanos estão entrando pelas vendas dos automoveis Ford; que, ao passo que durante anos Ford produzia mais de metade dos automoveis fabricados nos Estados Unidos, produz agora apenas cêrca de trinta e cinco por cento do total; que as fábricas Ford se vêem portanto confrontadas com o problema da sobreprodução, forçadas a produzir apenas sessenta e cinco por cento da sua capacidade, e obrigadas pois a trabalhar só quarenta horas por semana...

    De sorte que, ao proclamar ao mundo como novo lema económico e moral a semana de cinco dias, Henry Ford, sem ter que inventar para si um novo preceito prático, se limitou a seguir aquêle, que é admiravel, do mestre Macchiavelli: O que fazemos por necessidade, devemos fazer parecer que foi por vontade nossa que o fizemos.

  • Nomes

    • Francesco Guicciardini
    • George Riddell
    • George Savile
    • Henry Ford
    • Niccolò Machiavelli

    Títulos

    • Manual do Perfeito Escroc
    • Sermão da Montanha