English|Português|Deutsch

Dos ʺPoemas Inconjuntosʺ

Alberto Caeiro

Athena 5, janeiro de 1925, pp. 197-204.

  • ESCOLHA DE POEMAS DE ALBERTO CAEIRO

    (1889-1915)

    DOS ʺPOEMAS INCONJUNCTOSʺ

    (1913-1915)

    Não basta abrir a janella
    Para ver os campos e o rio.
    Não é bastante não ser cego
    Para ver as arvores e as flores.
    É preciso tambem não ter philosophia nenhuma.
    Com philosophia não ha arvores: ha idéas apenas.
    Ha só cada um de nós, como uma cave.
    Ha só uma janella fechada, e todo o mundo lá fóra;
    E um sonho do que se poderia ver se a janella se abrisse,
    Que nunca é o que se vê quando se abre a janella.
    *
    Fallas de civilização, e de não dever ser,
    Ou de não dever ser assim.
    Dizes que todos soffrem, ou a maioria de todos,
    Com as cousas humanas postas dʼesta maneira.
    Dizes que se fossem differentes, soffreriam menos.
    Dizes que se fossem como tu queres, seria melhor.
    Escuto sem te ouvir.
    Para que te quereria eu ouvir?
    Ouvindo-te nada ficaria sabendo.
    Se as cousas fossem differentes, seriam differentes: eis tudo.
    Se as cousas fossem como tu queres, seriam só como tu queres.
    Ai de ti e de todos que levam a vida
    A querer inventar a machina de fazer felicidade!
    *
    Entre o que vejo de um campo e o que vejo de outro campo
    Passa um momento uma figura de homem.
    Os seus passos vão com «elle» na mesma realidade,
    Mas eu reparo para elle e para elles, e são duas cousas:
    O «homem» vae andando com as suas idéas, falso e extrangeiro,
    E os passos vão com o systema antigo que faz pernas andar.
    Olho-o de longe sem opinião nenhuma.
    Que perfeito que é nelle o que elle é — o seu corpo,
    A sua verdadeira realidade que não tem desejos nem esperanças,
    Mas musculos e a maneira certa e impessoal de os usar.
    *
    Creança desconhecida e suja brincando á minha porta,
    Não te pergunto se me trazes um recado dos symbolos.
    Acho-te graça por nunca te ter visto antes,
    E naturalmente se podesses estar limpa eras outra creança,
    Nem aqui vinhas.
    Brinca na poeira, brinca!
    Apprecio a tua presença só com os olhos.
    Vale mais a pena ver uma cousa sempre pela primeira vez que conhecel-a,
    Porque conhecer é como nunca ter visto pela primeira vez,
    E nunca ter visto pela primeira vez é só ter ouvido contar.
    O modo como esta creança está suja é diferente do modo como as outras estão sujas.
    Brinca! Pegando numa pedra que te cabe na mão,
    Sabes que te cabe na mão.
    Qual é a philosophia que chega a uma certeza maior?
    Nenhuma, e nenhuma pode vir brincar nunca á minha porta.
    *
    Verdade, mentira, certeza, incerteza...
    Aquelle cego alli na estrada tambem conhece estas palavras.
    Estou sentado num degrau alto e tenho as mãos apertadas
    Sobre o mais alto dos joelhos cruzados.
    Bem: verdade, mentira, certeza, incerteza o que são?
    O cego pára na estrada,
    Desliguei as mãos de cima do joelho.
    Verdade, mentira, certeza, incerteza são as mesmas?
    Qualquer cousa mudou numa parte da realidade — os meus joelhos e as minhas mãos.
    Qual é a sciencia que tem conhecimento para isto?
    O cego continúa o seu caminho e eu não faço mais gestos.
    Já não é a mesma hora, nem a mesma gente, nem nada egual.
    Ser real é isto.
    *
    Uma gargalhada de rapariga soa do ar da estrada.
    Riu do que disse quem não vejo.
    Lembro-me já que ouvi.
    Mas se me fallarem agora de uma gargalhada de rapariga da estrada,
    Direi: não, os montes, as terras ao sol, o sol, a casa aqui,
    E eu que só oiço o ruido calado do sangue que ha na minha vida dos dois lados da cabeça.
    *
    Noite de S. João para além do muro do meu quintal.
    Do lado de cá, eu sem noite de S. João.
    Porque ha S. João onde o festejam.
    Para mim ha uma sombra de luz de fogueiras na noite,
    Um ruido de gargalhadas, os baques dos saltos.
    E um grito casual de quem não sabe que eu existo.
    *
    Hontem o pregador de verdades d’elle
    Fallou outra vez commigo.
    Fallou do soffrimento das classes que trabalham
    (Não do das pessoas que soffrem, que é afinal quem soffre).
    Fallou da injustiça de uns terem dinheiro,
    E de outros terem fome, que não sei se é fome de comer,
    Ou se é só fome da sobremesa alheia.
    Fallou de tudo quanto pudesse fazel-o zangar-se.
    Que feliz deve ser quem pode pensar na infelicidade dos outros!
    Que estupido se não sabe que a infelicidade dos outros é dʼelles,
    E não se cura de fóra,
    Porque soffrer não é ter falta de tinta
    Ou o caixote não ter aros de ferro!
    Haver injustiça é como haver morte.
    Eu nunca daria um passo para alterar
    Aquillo a que chamam a injustiça do mundo.
    Mil passos que desse para isso
    Eram só mil passos.
    Acceito a injustiça como acceito uma pedra não ser redonda,
    E um sobreiro não ter nascido pinheiro ou carvalho.
    Cortei a laranja em duas, e as duas partes não podiam ficar eguaes
    Para qual fui injusto — eu, que as vou comer a ambas?
    *
    Tu, mystico, vês uma significação em todas as cousas.
    Para ti tudo tem um sentido velado.
    Ha uma cousa occulta em cada cousa que vês.
    O que vês, vel-o sempre para veres outra cousa.
    Para mim, graças a ter olhos só para ver,
    Eu vejo ausencia de significação em todas as cousas;
    Vejo-o e amo-me, porque ser uma cousa é não significar nada.
    Ser uma cousa é não ser susceptivel de interpretação.
    *
    Pastor do monte, tão longe de mim com as tuas ovelhas —
    Que felicidade é essa que pareces ter — a tua ou a minha?
    A paz que sinto quando te vejo, pertence-me, ou pertence-te?
    Não, nem a ti nem a mim, pastor.
    Pertence só á felicidade e á paz.
    Nem tu a tens, porque não sabes que a tens.
    Nem eu a tenho, porque sei que a tenho.
    Ella é ella só, e cahe sobre nós como o sol,
    Que te bate nas costas e te aquece, e tu pensas noutra cousa indifferentemente,
    E me bate na cara e me offusca, e eu só penso no sol.
    *
    Dizes-me: tu és mais alguma cousa
    Que uma pedra ou uma planta.
    Dizes-me: sentes, pensas e sabes
    Que pensas e sentes.
    Então as pedras escrevem versos?
    Então as plantas teem idéas sobre o mundo?
    Sim: ha differença.
    Mas não é a differença que encontras;
    Porque o ter consciencia não me obriga a ter theorias sobre as cousas:
    Só me obriga a ser consciente.
    Se sou mais que uma pedra ou uma planta? Não sei.
    Sou differente. Não sei o que é mais ou menos.
    Ter consciencia é mais que ter côr?
    Pode ser e pode não ser.
    Sei que é differente apenas.
    Ninguem pode provar que é mais que só differente.
    Sei que a pedra é a real, e que a planta existe.
    Sei isto porque ellas existem.
    Sei isto porque os meus sentidos mʼo mostram.
    Sei que sou real tambem.
    Sei isto porque os meus sentidos mʼo mostram,
    Embora com menos clareza que me mostram a pedra e a planta.
    Não sei mais nada.
    Sim, escrevo versos, e a pedra não escreve versos.
    Sim, faço idéas sobre o mundo, e a planta nenhumas.
    Mas é que as pedras não são poetas, são pedras;
    E as plantas são plantas só, e não pensadores.
    Tanto posso dizer que sou superior a ellas por isto,
    Como que sou inferior.
    Mas não digo isso: digo da pedra, «é uma pedra»,
    Digo da planta, «é uma planta»,
    Digo de mim, «sou eu».
    E não digo mais nada. Que mais ha a dizer?
    *
    A espantosa realidade das coisas
    É a minha descoberta de todos os dias.
    Cada coisa é o que é,
    E é difficil explicar a alguem quanto isso me alegra,
    E quanto isso me basta.
    Basta existir para se ser completo.
    Tenho escripto bastantes poemas.
    Hei de escrever muitos mais, naturalmente.
    Cada poema meu diz isto,
    E todos os meus poemas são differentes,
    Porque cada coisa que ha é uma maneira de dizer isto.
    Ás vezes ponho-me a olhar para uma pedra.
    Não me ponho a pensar se ella sente.
    Não me perco a chamar-lhe minha irmã.
    Mas gosto dʼella por ella ser uma pedra,
    Gosto dʼella porque ella não sente nada,
    Gosto dʼella porque ella não tem parentesco nenhum commigo.
    Outras vezes oiço passar o vento,
    E acho que só para ouvir passar o vento vale a pena ter nascido.
    Eu não sei o que é que os outros pensarão lendo isto;
    Mas acho que isto deve estar bem porque o penso sem exforço,
    Nem ideia de outras pessoas a ouvir-me pensar;
    Porque o penso sem pensamentos,
    Porque o digo como as minhas palavras o dizem.
    Uma vez chamaram-me poeta materialista,
    E eu admirei-me, porque não julgava
    Que se me pudesse chamar qualquer coisa.
    Eu nem sequer sou poeta: vejo.
    Se o que escrevo tem valor, não sou eu que o tenho:
    O valor está alli, nos seus versos.
    Tudo isso é absolutamente independente da minha vontade.
    *
    Quando tornar a vir a primavera
    Talvez já não me encontre no mundo.
    Gostava agora de poder julgar que a primavera é gente
    Para poder suppor que ella choraria,
    Vendo que perdera o seu unico amigo.
    Mas a primavera nem sequer é uma coisa:
    É uma maneira de dizer.
    Nem mesmo as flores tornam, ou as folhas verdes.
    Ha novas flores, novas folhas verdes.
    Ha outros dias suaves.
    Nada torna, nada se repete, porque tudo é real.
    *
    Se eu morrer novo,
    Sem poder publicar livro nenhum,
    Sem ver a cara que teem os meus versos em lettra impressa,
    Peço que, se se quizerem ralar por minha causa,
    Que não se ralem.
    Se assim aconteceu, assim está certo.
    Mesmo que os meus versos nunca sejam impressos,
    Elles lá terão a sua belleza, se forem bellos.
    Mas elles não podem ser bellos e ficar por imprimir,
    Porque as raizes podem estar debaixo da terra
    Mas as flores florescem ao ar livre e á vista.
    Tem que ser assim por força. Nada o pode impedir.
    Se eu morrer muito novo, oiçam isto:
    Nunca fui senão uma creança que brincava.
    Fui gentio como o sol e a agua,
    De uma religião universal que só os homens não teem.
    Fui feliz porque não pedi coisa nenhuma,
    Nem procurei achar nada,
    Nem achei que houvesse mais explicação
    Que a palavra explicação não ter sentido nenhum.
    Não desejei senão estar ao sol ou á chuva —
    Ao sol quando havia sol
    E á chuva quando estava chovendo
    (E nunca a outra coisa),
    Sentir calor e frio e vento,
    E não ir mais longe.
    Uma vez amei, julguei que me amariam,
    Mas não fui amado.
    Não fui amado pela unica grande razão —
    Porque não tinha que ser.
    Consolei-me voltando ao sol e á chuva,
    E sentando-me outra vez á porta de casa.
    Os campos, afinal, não são tam verdes para que os que são amados
    Como para os que o não são.
    Sentir é estar distrahido.
    *
    Quando vier a primavera,
    Se eu já estiver morto.
    As flores florirão da mesma maneira
    E as arvores não serão menos verdes que na primavera passada.
    A realidade não precisa de mim.
    Sinto uma alegria enorme
    Ao pensar que a minha morte não tem importancia nenhuma.
    Se soubesse que amanhã morria
    E a primavera era depois de amanhã,
    Morreria contente, porque ella era depois de amanhã.
    Se esse é o seu tempo, quando havia ella de vir senão no seu tempo?
    Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
    E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
    Porisso, se morrer agora, morro contente,
    Porque tudo é real e tudo está certo.
    Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quizerem.
    Se quizerem, podem dançar e cantar á roda dʼelle.
    Não tenho preferencias para quando já não puder ter preferencias.
    O que fôr, quando fôr, é que será o que é.
    *
    Se, depois de eu morrer, quizerem escrever a minha biographia,
    Não ha nada mais simples.
    Tem só duas datas — a da minha nascença e a da minha morte.
    Entre uma e outra cousa todos os dias são meus.
    Sou facil de definir.
    Vi como um damnado.
    Amei as coisas sem sentimentalidade nenhuma.
    Nunca tive um desejo que não pudesse realizar, porque nunca ceguei.
    Mesmo ouvir nunca foi para mim senão um acompanhamento de ver.
    Comprehendi que as coisas são reaes e todas differentes umas das outras;
    Comprehendi isto com os olhos, nunca com o pensamento.
    Comprehender isto com o pensamento seria achal-as todas eguaes.
    Um dia deu-me o somno como a qualquer creança.
    Fechei os olhos e dormi.
    Além dʼisso, fui o unico poeta da Natureza.
  • ESCOLHA DE POEMAS DE ALBERTO CAEIRO

    (1889-1915)

    DOS ʺPOEMAS INCONJUNTOSʺ

    (1913-1915)

    Não basta abrir a janela
    Para ver os campos e o rio.
    Não é bastante não ser cego
    Para ver as árvores e as flores.
    É preciso também não ter filosofia nenhuma.
    Com filosofia não há árvores: há ideias apenas.
    Há só cada um de nós, como uma cave.
    Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora;
    E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,
    Que nunca é o que se vê quando se abre a janela.
    *
    Falas de civilização, e de não dever ser,
    Ou de não dever ser assim.
    Dizes que todos sofrem, ou a maioria de todos,
    Com as coisas humanas postas desta maneira.
    Dizes que se fossem diferentes, sofreriam menos.
    Dizes que se fossem como tu queres, seria melhor.
    Escuto sem te ouvir.
    Para que te quereria eu ouvir?
    Ouvindo-te nada ficaria sabendo.
    Se as coisas fossem diferentes, seriam diferentes: eis tudo.
    Se as coisas fossem como tu queres, seriam só como tu queres.
    Ai de ti e de todos que levam a vida
    A querer inventar a máquina de fazer felicidade!
    *
    Entre o que vejo de um campo e o que vejo de outro campo
    Passa um momento uma figura de homem.
    Os seus passos vão com «ele» na mesma realidade,
    Mas eu reparo para ele e para eles, e são duas coisas:
    O «homem» vai andando com as suas ideias, falso e estrangeiro,
    E os passos vão com o sistema antigo que faz pernas andar.
    Olho-o de longe sem opinião nenhuma.
    Que perfeito que é nele o que ele é — o seu corpo,
    A sua verdadeira realidade que não tem desejos nem esperanças,
    Mas músculos e a maneira certa e impessoal de os usar.
    *
    Criança desconhecida e suja brincando à minha porta,
    Não te pergunto se me trazes um recado dos símbolos.
    Acho-te graça por nunca te ter visto antes,
    E naturalmente se pudesses estar limpa eras outra criança,
    Nem aqui vinhas.
    Brinca na poeira, brinca!
    Aprecio a tua presença só com os olhos.
    Vale mais a pena ver uma coisa sempre pela primeira vez que conhecê-la,
    Porque conhecer é como nunca ter visto pela primeira vez,
    E nunca ter visto pela primeira vez é só ter ouvido contar.
    O modo como esta criança está suja é diferente do modo como as outras estão sujas.
    Brinca! Pegando numa pedra que te cabe na mão,
    Sabes que te cabe na mão.
    Qual é a filosofia que chega a uma certeza maior?
    Nenhuma, e nenhuma pode vir brincar nunca à minha porta.
    *
    Verdade, mentira, certeza, incerteza...
    Aquele cego ali na estrada também conhece estas palavras.
    Estou sentado num degrau alto e tenho as mãos apertadas
    Sobre o mais alto dos joelhos cruzados.
    Bem: verdade, mentira, certeza, incerteza o que são?
    O cego para na estrada,
    Desliguei as mãos de cima do joelho.
    Verdade, mentira, certeza, incerteza são as mesmas?
    Qualquer coisa mudou numa parte da realidade — os meus joelhos e as minhas mãos.
    Qual é a ciência que tem conhecimento para isto?
    O cego continua o seu caminho e eu não faço mais gestos.
    Já não é a mesma hora, nem a mesma gente, nem nada igual.
    Ser real é isto.
    *
    Uma gargalhada de rapariga soa do ar da estrada.
    Riu do que disse quem não vejo.
    Lembro-me já que ouvi.
    Mas se me falarem agora de uma gargalhada de rapariga da estrada,
    Direi: não, os montes, as terras ao sol, o sol, a casa aqui,
    E eu que só oiço o ruído calado do sangue que há na minha vida dos dois lados da cabeça.
    *
    Noite de S. João para além do muro do meu quintal.
    Do lado de cá, eu sem noite de S. João.
    Porque há S. João onde o festejam.
    Para mim há uma sombra de luz de fogueiras na noite,
    Um ruído de gargalhadas, os baques dos saltos.
    E um grito casual de quem não sabe que eu existo.
    *
    Ontem o pregador de verdades dele
    Falou outra vez comigo.
    Falou do sofrimento das classes que trabalham
    (Não do das pessoas que sofrem, que é afinal quem sofre).
    Falou da injustiça de uns terem dinheiro,
    E de outros terem fome, que não sei se é fome de comer,
    Ou se é só fome da sobremesa alheia.
    Falou de tudo quanto pudesse fazê-lo zangar-se.
    Que feliz deve ser quem pode pensar na infelicidade dos outros!
    Que estúpido se não sabe que a infelicidade dos outros é deles,
    E não se cura de fora,
    Porque sofrer não é ter falta de tinta
    Ou o caixote não ter aros de ferro!
    Haver injustiça é como haver morte.
    Eu nunca daria um passo para alterar
    Aquilo a que chamam a injustiça do mundo.
    Mil passos que desse para isso
    Eram só mil passos.
    Aceito a injustiça como aceito uma pedra não ser redonda,
    E um sobreiro não ter nascido pinheiro ou carvalho.
    Cortei a laranja em duas, e as duas partes não podiam ficar iguais
    Para qual fui injusto — eu, que as vou comer a ambas?
    *
    Tu, místico, vês uma significação em todas as coisas.
    Para ti tudo tem um sentido velado.
    Há uma coisa oculta em cada coisa que vês.
    O que vês, vê-lo sempre para veres outra coisa.
    Para mim, graças a ter olhos só para ver,
    Eu vejo ausência de significação em todas as coisas;
    Vejo-o e amo-me, porque ser uma coisa é não significar nada.
    Ser uma coisa é não ser suscetível de interpretação.
    *
    Pastor do monte, tão longe de mim com as tuas ovelhas —
    Que felicidade é essa que pareces ter — a tua ou a minha?
    A paz que sinto quando te vejo, pertence-me, ou pertence-te?
    Não, nem a ti nem a mim, pastor.
    Pertence só à felicidade e à paz.
    Nem tu a tens, porque não sabes que a tens.
    Nem eu a tenho, porque sei que a tenho.
    Ela é ela só, e cai sobre nós como o sol,
    Que te bate nas costas e te aquece, e tu pensas noutra coisa indiferentemente,
    E me bate na cara e me ofusca, e eu só penso no sol.
    *
    Dizes-me: tu és mais alguma coisa
    Que uma pedra ou uma planta.
    Dizes-me: sentes, pensas e sabes
    Que pensas e sentes.
    Então as pedras escrevem versos?
    Então as plantas têm ideias sobre o mundo?
    Sim: há diferença.
    Mas não é a diferença que encontras;
    Porque o ter consciência não me obriga a ter teorias sobre as coisas:
    Só me obriga a ser consciente.
    Se sou mais que uma pedra ou uma planta? Não sei.
    Sou diferente. Não sei o que é mais ou menos.
    Ter consciência é mais que ter cor?
    Pode ser e pode não ser.
    Sei que é diferente apenas.
    Ninguém pode provar que é mais que só diferente.
    Sei que a pedra é a real, e que a planta existe.
    Sei isto porque elas existem.
    Sei isto porque os meus sentidos mo mostram.
    Sei que sou real também.
    Sei isto porque os meus sentidos mo mostram,
    Embora com menos clareza que me mostram a pedra e a planta.
    Não sei mais nada.
    Sim, escrevo versos, e a pedra não escreve versos.
    Sim, faço ideias sobre o mundo, e a planta nenhumas.
    Mas é que as pedras não são poetas, são pedras;
    E as plantas são plantas só, e não pensadores.
    Tanto posso dizer que sou superior a elas por isto,
    Como que sou inferior.
    Mas não digo isso: digo da pedra, «é uma pedra»,
    Digo da planta, «é uma planta»,
    Digo de mim, «sou eu».
    E não digo mais nada. Que mais há a dizer?
    *
    A espantosa realidade das coisas
    É a minha descoberta de todos os dias.
    Cada coisa é o que é,
    E é difícil explicar a alguém quanto isso me alegra,
    E quanto isso me basta.
    Basta existir para se ser completo.
    Tenho escrito bastantes poemas.
    Hei de escrever muitos mais, naturalmente.
    Cada poema meu diz isto,
    E todos os meus poemas são diferentes,
    Porque cada coisa que há é uma maneira de dizer isto.
    Às vezes ponho-me a olhar para uma pedra.
    Não me ponho a pensar se ela sente.
    Não me perco a chamar-lhe minha irmã.
    Mas gosto dela por ela ser uma pedra,
    Gosto dela porque ela não sente nada,
    Gosto dela porque ela não tem parentesco nenhum comigo.
    Outras vezes oiço passar o vento,
    E acho que só para ouvir passar o vento vale a pena ter nascido.
    Eu não sei o que é que os outros pensarão lendo isto;
    Mas acho que isto deve estar bem porque o penso sem esforço,
    Nem ideia de outras pessoas a ouvir-me pensar;
    Porque o penso sem pensamentos,
    Porque o digo como as minhas palavras o dizem.
    Uma vez chamaram-me poeta materialista,
    E eu admirei-me, porque não julgava
    Que se me pudesse chamar qualquer coisa.
    Eu nem sequer sou poeta: vejo.
    Se o que escrevo tem valor, não sou eu que o tenho:
    O valor está ali, nos seus versos.
    Tudo isso é absolutamente independente da minha vontade.
    *
    Quando tornar a vir a primavera
    Talvez já não me encontre no mundo.
    Gostava agora de poder julgar que a primavera é gente
    Para poder supor que ela choraria,
    Vendo que perdera o seu único amigo.
    Mas a primavera nem sequer é uma coisa:
    É uma maneira de dizer.
    Nem mesmo as flores tornam, ou as folhas verdes.
    Há novas flores, novas folhas verdes.
    Há outros dias suaves.
    Nada torna, nada se repete, porque tudo é real.
    *
    Se eu morrer novo,
    Sem poder publicar livro nenhum,
    Sem ver a cara que têm os meus versos em letra impressa,
    Peço que, se se quiserem ralar por minha causa,
    Que não se ralem.
    Se assim aconteceu, assim está certo.
    Mesmo que os meus versos nunca sejam impressos,
    Eles lá terão a sua beleza, se forem belos.
    Mas eles não podem ser belos e ficar por imprimir,
    Porque as raízes podem estar debaixo da terra
    Mas as flores florescem ao ar livre e à vista.
    Tem que ser assim por força. Nada o pode impedir.
    Se eu morrer muito novo, oiçam isto:
    Nunca fui senão uma criança que brincava.
    Fui gentio como o sol e a água,
    De uma religião universal que só os homens não têm.
    Fui feliz porque não pedi coisa nenhuma,
    Nem procurei achar nada,
    Nem achei que houvesse mais explicação
    Que a palavra explicação não ter sentido nenhum.
    Não desejei senão estar ao sol ou à chuva —
    Ao sol quando havia sol
    E à chuva quando estava chovendo
    (E nunca a outra coisa),
    Sentir calor e frio e vento,
    E não ir mais longe.
    Uma vez amei, julguei que me amariam,
    Mas não fui amado.
    Não fui amado pela única grande razão —
    Porque não tinha que ser.
    Consolei-me voltando ao sol e à chuva,
    E sentando-me outra vez à porta de casa.
    Os campos, afinal, não são tão verdes para que os que são amados
    Como para os que o não são.
    Sentir é estar distraído.
    *
    Quando vier a primavera,
    Se eu já estiver morto.
    As flores florirão da mesma maneira
    E as árvores não serão menos verdes que na primavera passada.
    A realidade não precisa de mim.
    Sinto uma alegria enorme
    Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma.
    Se soubesse que amanhã morria
    E a primavera era depois de amanhã,
    Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
    Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
    Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
    E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
    Por isso, se morrer agora, morro contente,
    Porque tudo é real e tudo está certo.
    Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
    Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
    Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
    O que for, quando for, é que será o que é.
    *
    Se, depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
    Não há nada mais simples.
    Tem só duas datas — a da minha nascença e a da minha morte.
    Entre uma e outra coisa todos os dias são meus.
    Sou fácil de definir.
    Vi como um danado.
    Amei as coisas sem sentimentalidade nenhuma.
    Nunca tive um desejo que não pudesse realizar, porque nunca ceguei.
    Mesmo ouvir nunca foi para mim senão um acompanhamento de ver.
    Compreendi que as coisas são reais e todas diferentes umas das outras;
    Compreendi isto com os olhos, nunca com o pensamento.
    Compreender isto com o pensamento seria achá-las todas iguais.
    Um dia deu-me o sono como a qualquer criança.
    Fechei os olhos e dormi.
    Além disso, fui o único poeta da Natureza.