English|Português|Deutsch

O Preconceito da Ordem

Fernando Pessoa

Eh Real!, 13 de Maio de 1915, pp. 7-9.

Portugal: Semanário Republicano, 12 de Dezembro de 1915, p. 11.

O PRECONCEITO DA ORDEM

Entre os vários preconceitos que salpicam as theses dos neo-monarquicos, avulta, como grande mancha, o preconceito comtista da Ordem.

Evidentemente que por «ordem» os seus defensores não entendem a méra ordem material e ostensiva, aquela que a policia guarda. Entendem a ordem nos espíritos também, a disciplina intima de onde resulta o bom funcionamento, fisico como psiquico, da engrenagem social. Eles compreendem, de resto, que não há ordem só material, que é nos espiritos que a ordem começa.

Posto isto, porém, ha ainda a reparar que o conceito de ordem pode ser tomado em dois sentidos, consoante se entenda que ela existe, ou essencialmente na propria intima constituição das forças sociais, ou essencialmente apenas no modo de essas forças se manifestarem.

Se se entende que a ordem existe tanto mais perfeitamente quanto mais perfeita conformidade basica ha nos animos, quanto mais intima e real a submissão á orientação geral da sociedade em que se vive, chega-se, como conclusão rigorosa, a êste resultado: que o ideal social dos defensores da ordem é uma sociedade absolutamente nivelada, de onde não possam emergir valores nem aristocracias. Porque esses valores e aristocracias ou hão de agir no sentido da orientação geral d’essa sociedade, ou em sentido contrario. Se agem em sentido contrario, são, perante o conceito da ordem que examinamos, creadores de anarquia e de dissolução. E se agem no sentido da orientação social, ou agem creando-a, ou representando-a. Se agem creando-a, pressupõe-se que a maioria dessa sociedade é uma massa inerte e morta, incapaz de esboçar uma orientação social – e, nesse caso, como puderam surgir esses valores e aristocracias, e o poder creador que se lhes supõe? como, se a sociedade onde, por hipótese, existem é uma sociedade onde, pela mesma hipótese, não poderiam existir? A hipótese só é admissível se essa «aristocracia» fôr de estrangeiros: mas não é, por certo, uma «ordem» imposta por estrangeiros que os nacionalistas querem defender. – Se, por outra, esses valores e aristocracias não criam, mas simplesmente representam e dirigem uma orientação social geral, teremos este absurdo: individualidades superiores, e portanto acentuadas, que só pensam em se subordinar e se apagar; dirigentes e mandantes com a mentalidade tipica dos mandados e dos dirigidos. A este repugnante igualitarismo nos arrasta o conceito da ordem, na primeira das suas duas fórmas possiveis.

Mas não é esta, porventura, a «ordem» que os neo-monarquicos cantam. É no segundo dos dois sentidos apontados que tomam a palavra. A ordem existirá, portanto, não numa servil uniformização das orientações sociais, mas numa preocupação em que as manifestações delas sejam ordeiras. Isto é, cada partido político deve incluir, tácita ou expressamente, a preocupação da ordem no seu programa.

Mediram bem os neo-monárquicos as consequências sociáis terriveis que resultariam de tal orientação?

Repare-se em que iriamos cair. Um partido politico qualquer teria, além da preocupação das teorias politicas que o fazem tal, a preocupação da ordem. Tem de ter as duas preocupações com igual intensidade. Porque se está pronto a sacrificar a ordem á realização das suas teorias politicas, não tem, realmente, a preocupação da ordem. E se está pronto a sacrificar á ordem as suas teorias políticas, não é propriamente um partido politico; pois que, tendo tais teorias, teem-nas por certo por essenciais á Patria ou á Humanidade, e não vái sacrificar a Patria ou a Humanidade á Ordem, que, em qualquer hipótese, só pode ter valor secundariamente á Humanidade ou á Patria. – Mas, se um partido politico tem com igual intensidade determinadas teorias e a preocupação da ordem, ele, porque tem tais teorias e não outras, é fatalmente levado a crêr que a verdadeira realização da ordem só pode ser obtida pela verdadeira realização dessas teorias. Porque não é de supôr que um partido, que se preocupe com a ordem, julgue que os seus principios partidarios estão em desacordo com ela; nesse caso, ou não existia, ou seria um outro partido. – Segue que a preocupação da ordem dará a um partido político uma vontade de dominar e de se impor absolutamente violenta, visto que é sentido como impreterivelmente necessário, para a manutenção da ordem, o seu domínio, o dominio dos principios que representa. Donde se conclue que a preocupação da ordem, num partido politico, eleva ao rubro as suas paixões; e que, portanto, num paiz onde todos os partidos tenham a constante preocupação da ordem, se estará em constante desordem e anarquia. É este, mesmo, o unico modo de se chegar ao estado de anarquia social. Esse estado provém da excessiva preocupação da ordem.

Queda assim feito em farrapos o preconceito da ordem, rôto por todos os lados o papel em que os neo-monarquicos embrulham as suas teorias de contrabando. Mas isto, com certeza, embora oriente, não satisfará o leitor. Ele quererá saber, sem duvida, qual seja, sobre este ponto, a verdadeira noção sociologica. É facil fazer-lh’a vêr.

A ordem é nas sociedades o que a saúde é no individuo. Não é uma cousa: é um estado. Resulta do bom funcionamento do organismo, mas não é esse bom funcionamento. O homem normal só pensa na saúde quando está doente. Do mesmo modo, a sociedade normal só pensa na ordem quando nela aparece a desordem. O homem normal quando adoece, procura, não simplesmente sentir-se outra vez de saúde, mas atacar a doença; afastada ela, do seu afastamento resultará a saúde. De nada lhe serviria sentir-se de saúde, se essa sensação não proviesse do afastamento definitivo da doença, mas apenas da sua intermitência ou de uma anestesía qualquer. Na sociedade, semelhantemente: quando aparece a desordem, a sociedade sã procura logo, não manter a ordem, que pode ser provisoria ou aparente, mas atacar o mal que produziu a desordem. A exclusiva preocupação da ordem é um morfinismo social.

Levemos até ao fim esta justíssimaSemanário, 1915:injustíssima analogia. No individuo, a constante preocupação da saúde é um sintóma de neurastenía, ou de males psiquicos mais graves ainda. Na sociedade, paralelamente, a preocupação da ordem, é uma doença de espirito coléctivo. Se os argumentos que acima expus não bastaram para insinuar esta conclusão no animo do leitor, ele pode verificar de todo a hipótese, reportando-se ás circunstancias sociais em que nasceu a moderna preocupação da ordem, e á especie de cérebro onde ela surgiu definidamente.

Apareceu ela num periodo perturbado e anormal da politica franceza e em plena vigencia da doença chamada romantismo. É, caracterizadamente, uma idéa romantica.

O seu criador filosófico, o infelís chamado Augusto Comte, toda a vida sofreu de alienação mental.

Fernando Pessoa.

O texto foi republicado em Portugal: Semanário Republicano, a 12 de Dezembro de 1915, p. 11, com alteraçóes ortográficas e com o que interpretamos ser um erro tipografico que compromete o sentido. Publicamos as respetivas imagens.
  • Names

    • Auguste Comte