English|Português|Deutsch

Uma réplica ao snr. dr. Adolfo Coelho

Fernando Pessoa

A República, 21 de setembro de 1912, pp. 1-2.

UMA RÉPLICA AO snr. dr.s[enho]r d[outo]r Adolfo Coelho

Mais uma réplica corta a pacatez dos depoimentos desde o dia 3 do corrente veem sendo publicados na «República».

Agora é o colaborador da « Aguia», snr.s[enho]r Fernando Pessoa, que vem responder ao ilustre filólogo e lente da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, snr. dr.s[enho]r d[outo]r Adolfo Coelho, que não crê no super-Camões.

Meu caro amigo — O convite geral feito na sua secção de inquérito literário, e aquele com que verbalmente honrou a obscuridade ou a juventude do meu nome, foram, como sabe, de principio aceites por mim para, no seu jornal, levantar a luva que inquiridos vários arremessaram à Renascença Portuguesa. Lançado, porém, que por mim fui no caminho da contra-argumentação, breve verifiquei que, tendo por dever meu responder a tudo quanto no seu inquérito se dissesse contra a Renascença Portuguesa, as dimensões escritas da resposta excederiam, e de muito, as dimensões de um artigo de jornal; ao passo que a nulidade do meu nome, por mais que o meu raciocinio lhe fosse capa para o público, impedia-me de, sequer, pensar em pedir-lhe a inserção de artigos sobre artigos, discutindo, ponto por ponto a como que argumentação dos adversários da nossa novíssima poesia. Resolvi, por isso, guardar para folhêto a resposta extensa e completa a quantos simulacros de objecções várias competencias nominais houvessem deixado cair nas suas colunas. Preparo esse folhêto, que a Renascença Portuguesa editará.

Nesta atitude me conservaria, se o Prof.Prof[essor] Adolfo Coelho não tivesse feito incidir uma parte do seu depoimento sobre um artigo meu, publicado na Aguia, e que visa precisamente a explicar, na sua significação sociológica, a nossa novíssima poesia; chamado assim, como que por meu nome, á baila jornalística, sinto-me com o direito e o dever de abrir uma clareira na minha renuncia á publicidade maior e a valer-me, na extensão de um artigo, do seu amável convite.

Os argumentos que empregarei contra as objecções do Prof.Prof[essor] Adolfo Coelho servir-me-hão, ao mesmo tempo e de sumário modo, de resposta geral a outras adversas referências feitas á Renascença Portuguesa e á nossa nova poesia; porquanto, explicativos como são daquelas, implicita resposta levam a todos os seus inimigos. Isto não exclue — bom é que se note — a mais detalhada resposta no folhêto. Apenas a prepara e imperfeitamente a resume.

Por ora, pois, responderei apenas ás vagas objecções feitas contra o caracter renovador e grande da nossa novissima poesia pelo Prof.Prof[essor] Adolfo Coelho no seu quasi-erudito artigo. Esse artigo é sereno e aparentemente lucido e motivado; infelizmente, quem se dér ao trabalho de lhe procurar o fio condutor de uma lógica, encontra-lhe uma intima desconexão, desmentindo a sua fisionomia de ligado e conexo.

Seja como fôr, perscrutemos em que se baseia o Prof.Prof[essor] Adolfo Coelho para descrer de uma renascença literária em Portugal e de ser a nossa poesia novissima representativa dessa renascença. Cinge-se a duas considerações, que era indispensavel que estivessem submersas em elementos acidentais e anedoticos. Essas duas objecções, que não pecam por explicitas nem por argumentadas se perdem, são: 1. ° — que a nossa nova poesia não mostra avanço, especialmente no que diz respeito á grandeza individual dos seus representantes, sobre a poesia da geração de 1860 a 1870; 2.° — que não mostra avanço espiritual — isto é, em compreensão da Natureza, expressão de emoções, etc., — sobre qualquer outra corrente poetica — a romantica, suponha-se, consoante exemplos indicados de Byron e Victor Hugo. Concretizando mais: para o Prof.Prof[essor] Adolfo Coelho a nossa novissima poesia nem pela grandeza dos seus poetas, nem pela originalidade e grandeza do seu caracter geral se impõe como poesia caracteristica de uma renascença; ou mesmo de um grande periodo poetico. Isto é o essencial e o basilar do artigo; o resto ou provém disto ou não tem nada que vêr para o caso.

As duas considerações citadas reduzem-se, para o contra-argumentador, a uma só. É que a grandeza dos poetas de uma corrente literaria está sempre em relação com a originalidade, o equilibrio e a nacionalidade (isto é, o caracter nacional) dessa corrente. Não se pode apontar em toda a historia literária movimento que tenha surgido com caracter de originalidade, equilibrio e nacionalidade que não tenha sido representado por, revelado atravez de, grandes figuras de poeta, e grandes na precisa proporção em que essa corrente é nacional, original e equilibrada.

Assim, as duas poesias que mais se nos oferecem como brotando inesperadas e originais do seio dos seus povos, são a poesia grega e a poesia da Renascença — preeminentemente, a da Renascença inglesa. A primeira surge como que virgemente, anadiomenicamente, do oceano escuro do tempo; liga-se por episodios e elementos míticos á anterior poesia da India, mas a sua essencia, a sua alma, a sua assombrosa alma lucida e profunda, é-lhe original e própria. De modo egualmente flagrante rompe da noite da idade chamada média a poesia que, começando em Dante, culmina em Shakespeare e acaba em Milton.

Todas as outras épocas literárias são inferiores a estas duas em originalidade. Todas descendem muito mais evidentemente do passado do que estas. O proprio Romantismo não destaca da Renascença ou mesmo do século dezoito como a Renascença surge da idade-média e a poesia grega do que lhe é anterior. Isto é incontestavel.

Ora é precisamente nos dois periodos verificados como os maiores da literatura em materia de originalidade que aparecem as maiores obras individuais, as maiores figuras individuais de poetas. Porque é fora de dúvida para quem tenha mais do que um vácuo de compreensão que as alturas máximas da poesia estão na Iliada e em Shakespeare, e, logo abaixo, nos dramaturgos gregos e nos dois épicos supremos da Renascença, Dante e Milton. De modo que a questão se reduz simplesmente a procurar o grau de originalidade, equilibrio e nacionalidade no actual período poetico português; se essas forem constatadas grandes, inevitavelmente se terá de concluir ou que os novissimos poetas nossos são grandes poetas, ou caso seja impossivel considera-los como tais, que brevemente surgirão grandes poetas ou, pelo menos, um grande poeta da nossa nova poesia.

Mas a questão póde ser posta á prova mais restritamente analisando. Em primeiro logar, escusamos de prescrutar a  nacionalidade de uma poesia: se se prova a sua plena e equilibrada originalidade, fica ipso facto, provado o seu caracter de absolutamente nacional. Porque se a poesia de uma nação é em certo periodo em absoluto original, de onde lhe poderá vir essa originalidade, esse poder de ser diversa e outra do que todas as outras poesias, senão de ser a genuina e suprema interpretação do que esse país tem de essencialmente diverso e outro do que outros países — e isso é ser tal país e não outro, é a raça>. Fica, portanto, restrita a nossa investigação a constatar a existência ou não-existência, na nossa nova poesia, de originalidade e equilibrio.

Mas mesmo isto é escusado. O caso é saber constatar originalidade: pois que perfeita e verdadeira originalidade não existe sem equilibrio perfeito. Vejamos porquê. Primeiro, em que consiste o equilibrio de um psiquismo qualquer, individual ou colectivo? Essencialmente no grau da sua atenção ao mundo exterior; a quanto mais éle é atento no mundo exterior, tanto maior seu equilibrio é. E em que consiste a originalidade? Em ter ideias inteiramente proprias e individuais; e «inteiramente individuais e proprias» quer dizer inteiramente subjectivas. Como, porém, o espirito elabora impressões vindas do exterior, a originalidade será tanto maior quanto maior fôr o numero de impressões do exterior que o espirito é capaz de acolher e elaborar para originalidade; isto é, quanto maior fôr a sua atenção ao mundo exterior; quer dizer, pois, quanto maior fôr o seu equilibrio. Portanto, originalidade verdadeira e perfeita envolve, equilibrio, nunca é senão originalidade equilibrada.

Mas como é que se pode medir a originalidade de uma corrente literária? Em que é que consiste, propriamente, essa originalidade? Vejamos primeiro o que é uma corrente literária. E’ manifestamente uma comunidade de ideias ou instituições, caracteristica de poetas e literatos de uma época. Qual é a base de uma comunidade de ideias? Um fundamental conceito igual das coisas, uma igual atitude perante o universo e a vida.

Que é um comum conceito do universo e da vida? Um comum conceito do que constitue a realidade. O ponto único, portanto, para onde tem de convergir a nossa atenção é êste — se a nova poesia portuguesa involve qualquer conceito novo do que é a realidade, se a sua atitude perante o universo e a vida é uma atitude inteiramente nova.

Ora Portugal pertence à civilização europeia ocidental; a sua evolução, literária ou outra, tem vindo integrada, portanto, na evolução literária ou outra, dessa civilização. E visto que essa civilização tem, em literatura porque em tudo, uma linha evolutiva, se a nossa nova poesia traz qualquer coisa de original em si, essa originalidade deve ser o principio de um novo estadio na linha evolutiva da civilização em que Portugal está integrado — nova Renascença portanto que de Portugal se derramará para a Europa, como da Italia para a Europa se derramou a outra Renascença. Mas se essa originalidade, a ser verdadeira, representará um novo estadio na geral linha evolutiva literária da Europa, a sua natureza deve ser de certo modo deduzivel dos anteriores estadios da evolução literária europeia. O que temos portanto que fazer é analisar os estadios anteriores da evolução literária da Europa moderna, deduzir dessa análise quais devam ser os caracteristicos do estadio literário seguinte, e depois comparar êsses caracteriticos deduzidos com os caracteristicos da nossa novissima poesia. Se houver coincidência, teremos provado a nossa tése.

Os dois estadios literários da civilização europeia moderna são a Renascença e o Romantismo. Analisemos os caracteristicos dêstes, deduzamos depois os provaveis caracteristicos do periodo literário que se lhes deve seguir e comparemos finalmente êsses caracteristicos com os da nova poesia portuguesa.

Qual é a atitude da Renascença perante o universo e a vida? O que é que para ela constitue essencialmente a Realidade? É a alma e só a alma: a Renascença não tem o sentimento da Natureza. Vejamos. Quais são as formas poeticas da Renascença? São ou poemas de amôr (Petrarcha), ou poemas de acção humana (os poetas épicos) ou dramas (Shakespeare e os dramaturgos do seu tempo). São portanto tres formas de poesia de Alma, só de Alma — visto que tratam ou do sentimento que liga as almas — o amôr — ou de acção humana, acção de almas, portanto; ou, no seu poeta culminante, Shakespeare, mais completamente ainda de almas em acção. Quanto à Natureza, os poetas da Renascença não a sentem, por mais nitidamente que a vejam: assim, o mais observador de todos êles, Shakespeare, não é poeta perante a Natureza, é observador simplesmente. Descreve o que vê em maravilhosos versos; mas nenhuma simpatia o liga a essa Natureza que tão nitidamente vê.

Dá-se com o Romantismo o caso inverso. Para os romanticos a unica verdadeira Realidade é a Natureza; da Alma conhecem só cada um a sua alma indívidual. Daí o caracter inteiramente diverso da poesia romantica em relação á da Renascença. A sua noção da acção humana é fraca e descontinua, de modo que são incapazes de elaborar uma epopeia. A sua fraquesa psicológica é conhecida: os únicos romanticos capazes de alguma intuição psicológica, Goethe e Shelley,apoiam-se ao passado, á tradição da Renascença, na figura de Shakespeare, para beber psicologia. E o resultado? Grande como é em outras coisas, Goethe-psicólogo não se pode medir, não digamos já com Shakespeare, mas mesmo com outros dramaturgos — Webster, por exemplo — da epoca shakespeareana. Shelley, para escrever The Censi, estudou atentamente os processos shakespeareanos — e o que resultou, ainda que belo, não se pode comparar em intuição dramatica sequer com a obra de outros taes que Webster.

Esta diferença entre os poetas da Renascença e os do Romantismo colhe-se flagrantemente no modo como pensam. Os poetas da Renascença pensam por ideias ou por abstracções: os romanticos pensam por imagens. Isto é, os primeiros pensam em termos de Alma, os segundos em termos de Natureza. Nenhum romantico poderia escrever um soneto como o Alma minha gentil, tão despido de imagens, tão directamente  exprimindo a alma.

Ora, sendo estes os caracteristicos dos dois grandes periodos da poesia europeia moderna, será possível deduzir dêles os caracteristicos que deverá ter o grande periodo da poesia que se lhes seguirá? A dedução não é fácil; é facilima. Para a Renascença a Realidade é a Alma; para o Romantismo a Realidade é a Natureza. Ora, como o nosso conhecimento não tem outros objectos alem da Alma e da Natureza, a Nova Renascença (chamemos-lhe assim) não tem outra coisa que tomar para Realidade. A sua originalidade só poderá vir portanto de uma fusão do psiquismo da Renascença com o psiquismo do Romantismo. Não há outra hipótese concebivel.

Essa fusão, porém, produz um facto curioso — a coexistencia de dois sentimentos da Realidade, uma dupla noção de Realidade. Mas só póde haver noção de uma Realidade; a Realidade é concebivel só como uma. Resulta, portanto, que para a Nova Renascença a Realidade deverá ser fusão de Natureza e Alma. A realidade será pois Natureza-Alma. Isto é, pela Nova Renascença  a Natureza será concebida como Alma.

Ora eu creio que o professor Adolfo Coelho é suficientemente inteligente para perceber que estamos em plena descrição da nova poesia portuguesa. Os caracteristicos que deduzimos como devendo infalivelmente ser os da poesia da Nova Renascença coincidem em absoluto com os caracteristicos patentes da nossa novissima poesia.

Provas? Devem ser escusadas para qualquer criatura capaz de seguir um raciocinio e ler uma página. Leia o professor Adolfo Coelho as poesias caracteristicas dos nossos novissimos poetas; medite todos os artigos de Teixeira de Pascoais — cada verso tráe o conceito de Natureza-Alma, cada frase dêsses artigos o exprime.

Para não fugir, porém, ao exemplo directo e individual, examinemos aqueles dois trechos citados por mim e re-citados pelo professor Adolfo Coelho, cuja erudita incompreensão não encontrou diferença entre êles e uma estância, citada, de Byron, inteiramente diversa no seu sentimento, perfeitamente romantico, de Natureza como Natureza. O primeiro trecho é este, de Jaime Cortezão:

E, mal o luar os molha,
Os choupos, na noite calma,
Já não têm ramos nem folha,
São apenas choupos de alma.

Aqui temos, flagrantissimamente, o material concebido como espiritual — choupos de alma. Vejamos o outro trecho: são os dois versos de Pascoais:

A folha que tombava
Era alma que subia.

Aqui temos o acto material, que é a queda de uma folha, concebido como acto espiritual; e repare o professor Adolfo Coelho que Pascoais não compára a queda da folha à ascensão da alma — a queda da folha, é, materialmente, a subida da alma.

>Comparando estes maravilhosos trechos a trechos de Byron e de Victor Hugo, mostrou o professor Adolfo Coelho que não sabe olhar para além das palavras, e da méra gramática das frases.

Eu bem sei que o professor Adolfo Coelhonão pode sentir a nossa nova poesia; ouso esperar que possa compreendê-la de longe, através do meu raciocinio.

Que provámos, pois?

Que a nossa nova poesia é a poesia auroral de uma Nova Renascença, que é uma poesia perfeita e plenamente original. Mas, como acima vimos, se é perfeitamente original, é equilibrada: erram portanto os que a consideram doentia e confusa, lançando sôbre ela a sombra da sua própria incompreensão. — Se é original e equilibrada resulta, como acima provámos, que é inteiramente nacional: erram portanto quantos falam em estrangeirismo a proposito dela. — Se é original, equilibrada e nacional produz ou produzirá, como acima o mostrámos, grandes e máximas figuras de poeta: erra portanto o professor Adolfo Coelho, primeiro quando acha inferiores os nossos novissimos poetas, e depois quando considera messianismo a ideia de um super-Camões, isto é, de um poeta máximo, inevitavelmente maior do que aquêle poeta verdadeiramente grande, mas longe de ser um Dante ou um Shakespeare.

São estas, meu caro amigo, as considerações que julgo indispensaveis como resposta ao professor Adolfo Coelho. Servem, ao mesmo tempo, como viu, para responder a outros adversários da Renascença Portuguesa.

Repliquei com perfeita serenidade, 1. ° porque o professor Adolfo Coelho com isenção de dureza escreveu, e 2. ° porque de outro modo não poderia escrever em atenção á sua pessoa e ao seu jornal. Para o folheto que preparo reservo o tratar no tom que julgar merecido alguns individuos pouco inteligentes ou menos correctos, que teem deposto no seu inquérito.

Desculpe-me o espaço que lhe tomei e disponha sempre do seu amigo e admirador.—Fernando Pessoa.

  • Names

    • Adolfo Coelho
    • Dante Alighieri
    • Fernando Pessoa
    • Francesco Petrarca
    • Jaime Cortesão
    • Johann Wolfgang von Goethe
    • John Milton
    • John Webster
    • Lord Byron
    • Luiz de Camões
    • Percy Bysshe Shelley
    • Teixeira de Pascoaes
    • Victor Hugo
    • William Shakespeare

    Titles

    • Iliada
    • The Censi

    Periodicals

    • A República
    • A Águia