English|Português|Deutsch

Soneto já Antigo

Álvaro de Campos

Contemporânea 6,

Dezembro de 1922, p.121.

Soneto já Antigo

Olha, Daisy: quando eu morrer tu has de
Dizer aos meus amigos ahi de Londres,
Embora não o sintas, que tu escondes
A grande dôr da minha morte. Irás de
Londres p’ra York, onde nascestes (dizes…
Que eu nada que tu digas acredito),
Contar áquelle pobre rapazito
Que me deu tantas horas tão felizes,
Embora não o saibas, que morri…
Mesmo elle, a quem eu tanto julguei amar,
Nada se importará… Depois vae dar
A noticia a essa extranha Cecily
Que acreditava que eu seria grande…
Raios partam a vida e quem lá ande!

ALVARO DE CAMPOS